O racismo é um monstro de inúmeras faces

«O racismo é um monstro de inúmeras faces. A própria afirmação “Eu não sou racista” contém muitas vezes em si a estirpe paternalista do imundo vírus. Jorge de Sena contava, a propósito, o que, chegado ao Brasil, ouviu de uma senhora da alta sociedade brasileira: “Aqui no Brasil não há racismo. E sabe porquê? Porque, aqui, o preto sabe pôr-se no seu lugar”. Mas o racismo não raro contamina as próprias vítimas, tornando-as também em algozes. O mais inquietante exemplo é talvez aquilo que Steiner chama o “ódio de si”, ou “autoproscrição”, do judeu, que explicaria o desconcertante anti-semitismo ou rejeição do próprio judaísmo que, desde Paulo de Tarso, é notório em numerosos intelectuais judeus (mais perto de nós, alguns houve que chegaram a aprovar Hitler). Que sentir senão repugnância com uma resposta que o presidente da Câmara de Torres Vedras, cigano, deu ao “Expresso” a propósito da expulsão de França de ciganos romenos e búlgaros: “Os ciganos portugueses vêem com apreensão a chegada dos ‘novos ciganos’. Sentem que os seus comportamentos desviantes ou bizarros podem pôr em causa a integração”?»

Manuel António Pina no JN

Anúncios
Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentários

  • Lucas  On Sábado, 25 Setembro 2010 at 6:10 pm

    Quanta coisa nova no blog, está muito bom!!! []’s!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: