Unidade, Diversidade e Divisionismo no Anarquismo

Unity, Diversity and Divisiveness In Anarchism, no Porcupine Blog

Um aspecto do anarquismo que difere do marxismo socialista é que há menos divisionismo e sectarismo. Isto não quer dizer que não temos os nossos dogmáticos e puristas. Temos, mas essas pessoas são uma minoria, cada vez mais, há medida que o nosso movimento cresce e se vai implantando. Predominantemente, a tendência é que os anarquistas trabalhem em conjunto em projectos mesmo quando pertencem a diferentes tendências, e a não ver os outros como inimigos, traidores ou tolos, apenas porque têm algumas ideias diferentes.

Um exemplo entre tantos: na França, numa terra de 50 milhões de pessoas com 55 milhões de perspectivas politicas, a Alternative Libertaire (AL) e a Federation Anarchist (FA) trabalham em projectos comuns. Nenhum dos grupos perde tempo nos seus media a castigar o outro por erros doutrinários. Isto apesar do facto da AL se ter separado da FA há alguns anos atrás e a primeira ser Plataformista e a FA Sintetista. (1)

Unidade na Diversidade

É possível dividir os anarquistas de diversas formas, “anarquistas estilo-de-vida” e “anarquistas sociais”, é uma possibilidade. Reformistas e revolucionários é outra. Se estas diferenças existem em teoria, na realidade é mais complexo do que isso. Alguém pode-se envolver em várias actividades “estilo-de-vida” mas ser um membro do IWW (Industrial Workers of the World). Outro anarquista pode achar uma revolução impossível no contexto norte-americano mas achar possível noutro lado. Desde que se adira a princípios anarquistas básicos como auto-gestão, anti-capitalismo e anti-estatismo, os anarquistas não acham que a diversidade seja um problema. Quando as pessoas estão dispostas a trabalhar juntas em áreas chave como os média, os sindicatos, organizações comunitárias e reuniões anarquistas, a diversidade torna-se uma força. Os anarquistas estão divididos de muitas formas – tipo de organização escolhida, anarquistas anti-religiosos vs religiosos, tipo de economia futura, e área preferida de actividade. Assim, anarquistas que favorecem uma abordagem mais “individualista” atrairão artistas e poetas para a causa, os anarquistas religiosos são um canal para chegar àqueles que levam a sério as palavras de igualdade dos seus evangelhos e os eco-anarquistas e anarca-feministas ligam-nos aos ambientalistas e movimentos das mulheres.

Existe também um grande número, muitas vezes até mais numeroso que o dos anarquistas ideológicos, de semi-anarquistas. São pessoas que defendem parte, mas não todo o programa anarquista. Estas pessoas dirão que estão interessadas na auto-gestão e no poder popular mas não se consideram anarquistas.
Torna-se então possível, desde que se refreie o dogmatismo, criar um amplo movimento de base. Composto por anarquistas e semi-anarquistas e tendo como base objectivos chave comuns  como a auto-gestão, a democracia directa e a autonomia.
Quando a população trabalhadora começa a agir de acordo com estas ideias, temos o início de uma revolução social.

O que fazer a seguir?

O que os anarquistas deverão fazer a seguir tem sido uma fonte de divisão dentro do movimento. Uma mudança revolucionária pode ser conseguída, mas pode ser mantida? A posição tradicional do anarquismo era de natureza mais espontânea, encorajar as massas a auto-organizar-se e a revolução seguirá o seu rumo. As derrotas anarquistas nas revoluções russa e espanhola levou a que muitos considerassem uma forma mais rígida de programa e organização. Estes são os plataformistas. No início houve animosidade entre os dois grupos, com os tradicionalistas a acusar os plataformistas de autoritarismo e estes a actuar de uma forma muito divisionista dentro do movimento. Mas isto faz parte do passado, e hoje os plataformistas são neo-plataformistas e não são todos sectários, e como mostrado acima trabalham livremente com outros anarquistas. Deve ser notado que a Plataforma não é uma tentativa de formar um partido ou uma organização acima dos outros anarquistas ou trabalhadores. A função da Plataforma é ser uma tendência dentro do movimento mais amplo que influencie esse movimento na direcção de uma maior coerência programática, organizacional e táctica.
1. Sobre a plataforma ver, http://en.wikipedia.org/wiki/Platformism

O anarquismo Sintetista procura unir as diversas tendências anarquistas dentro de uma mesma organização. O seu programa é portanto mais geral e os diferentes grupos que constituem a federação são livres de escolher se apoiam determinada acção ou não.

Anúncios
Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentários

  • Marreta  On Sexta-feira, 18 Setembro 2009 at 10:34 pm

    Julgo que esta amálgama, saudável na minha opinião, não deixará no entanto de causar alguma “estranheza” e confusão na mensagem que se poderá querer passar na tentativa de “angariar” novos adeptos para a causa. No entanto, quanto a mim não restam dúvidas de que da diversidade nasce a LUZ. O problema será tentar construir um rumo objectivo e realizável com a respectiva organização que se exige.

    Saudações de um Marreta criminoso…

  • mescalero  On Sábado, 19 Setembro 2009 at 3:08 pm

    Acho que há muitas coisas no anarquismo que causam confusão a quem vê de fora, mas isso resolve-se com mensagens claras.

  • Ferroadas  On Sábado, 19 Setembro 2009 at 11:07 pm

    Na minha modesta opinião e pelo que fui aprendendo na prática e não na teoria, o movimento anarquista nada tem de divisionista, pelo contrário, as várias formas de o compreender e/ou as várias tendências são fruto da sua riqueza e diversidade. Conheço velhos anarquistas (poucos a maioria já morreu) e nenhum pensava da mesma forma que outro, mas isso não os impediu de irem sacrificar suas vidas em prol de um ideal, nomeadamente na guerra civil espanhola. Como dizes e muito bem, a unidade na diferença está no anti-capitalismo, anti-estatismo, na auto-gestão, no mutualismo, etc..

    Abraço

Trackbacks

  • By Quem somos, donde vimos e outras dúvidas existenciais « on Quinta-feira, 2 Setembro 2010 at 1:06 pm

    […] > Mais de metade dos participantes acham que o anarco-capitalismo é um problema. Um número significativo acha o mesmo do primitivismo e do sectarismo. Estou de acordo quanto ao anarco-capitalismo e ao sectarismo, embora ache que de uma forma geral os anarquistas são menos sectários do que a esquerda em geral. […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: