A World Enslaved

Um dos factos mais demolidores para a ideia de que a humanidade tem vindo a progredir social, política e culturalmente ao longo dos séculos, é a constatação de que, no dealbar do séc. XXI, a escravatura não só não desapareceu mas há hoje mais escravos do que no auge do tráfico negreiro, quando a escravatura estava legalmente instituída.

E. Benjamin Skinner fez uma pesquisa, durante quatro anos, pelos cinco continentes, da escravatura no mundo moderno, que descreve no artigo A World Enslaved para o Foreign Policy.

In Africa, tens of thousands are chattel slaves, seized in war or tucked away for generations. Across Europe, Asia, and the Americas, traffickers have forced as many as 2 million into prostitution or labor. In South Asia, which has the highest concentration of slaves on the planet, nearly 10 million languish in bondage, unable to leave their captors until they pay off “debts,” legal fictions that in many cases are generations old.

No início do seu artigo ele descreve a conversa que teve com o facilitador do negócio de venda de seres humanos – ou agente de emprego, como ele se autodenomina – dos quais dois terços são crianças. Demorou-lhe apenas cinco horas desde Nova Iorque até conseguir realizar este negócio no Haiti.

Um aspecto para o qual ele nos chama a atenção é o erro de se pensar que grande parte desta escravatura é sexual. Na verdade, para cada mulher ou criança escravizada no comércio do sexo, há pelo menos 15 homens, mulheres e crianças escravizados de outras formas, como o trabalho doméstico ou agrícola.

O que fazemos nós, no ocidente da abundância, para combatermos este flagelo?

Benjamin Skinner apela a novos paradigmas legislativos de luta contra a escravatura. Aqui, não posso deixar de estranhar que se pretenda encontrar uma solução no mesmo código de leis que é irredutível na protecção da globalização capitalista, do novo colonialismo das multinacionais, da cooperação com os regimes corruptos e ditatoriais do terceiro mundo e que permite e fomenta guerras dementes.Romper com esta lógica terá de ser de baixo para cima, dos escravizados para os escravizadores e não o contrário. E nós, no nosso conforto e abundância primeiromundista, teremos que começar por não compactuar com o mercantilismo escravizante, deixando de fornecer hordas de consumidores inconscientes e manipuláveis à lei da oferta e da procura.

mescalero

Anúncios
Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentários

  • CRN  On Quinta-feira, 28 Agosto 2008 at 12:27 am

    Nem ninguêm acredita, a menos que disponibilize uma hora do seu tempo, que a escravatura aumentou.

    Cumprimentos.

Trackbacks

  • By superioridade moral do ocidente? « agitação on Quarta-feira, 24 Setembro 2008 at 12:43 am

    […] moderna tem muitas máscaras tal como afirmou Benjamin Skinner no seu perturbador artigo a world enslaved. algumas delas pavoneiam-se mesmo debaixo do nosso nariz, nos países ricos e civilizados, nas […]

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: