Conheça o seu amigável vizinho anarquista

O que esperar de um artigo sobre um grupo anarquista na imprensa corporativa? Desinformação evidentemente. Este, com o simpático nome de Meet your friendly neighborhood anarchists não foge à regra. Para além das, aparentemente, boas intenções do articulista ao descrever as anarquistas como gente amigável, prestável e pacífica, o artigo acaba por subtrair à acção anarquista toda a sua vocação subversiva, ao torná-la “suportável para o cidadão comum”. Não nos enganemos, a anarquia crescerá sobre as ruínas da máquina mais ou menos democrática, capitalista, corporativa, hiper-tecnologica e patriarcal, como uma planta gigante a romper pelo asfalto.

Por isso, a anarquia será amigável concerteza, mas adversária também. Prestável sim, mas com critério anti-autoritário. Construtiva claro, mas ambivalentemente destrutiva.

Fica a ligação para as actividades do grupo anarquista Be your own hero, com Food Not Bombs, Critical Mass, actividades DIY (do it yourself), oficinas várias e comida vegetariana.

Advertisements
Post a comment or leave a trackback: Trackback URL.

Comentários

  • Fermin Salvochea  On Sábado, 9 Agosto 2008 at 1:28 am

    Como li numa entrevista à Federação Anarquista do Rio de Janeiro: “O governo não reprime necessariamente “o anarquismo”. Quando o anarquismo está preso em um guetto, servindo de “estilo de vida”, forma de amizade, liberdade estética e de pensamento filosófico, ele conseqüentemente não oferece possibilidade de mudança social alguma, não está implicado nas lutas sociais, e é, portanto, tranqüilamente “tolerado” pelo Estado. A repressão reage em exata proporção à quantidade de trabalho social que os anarquistas possuem. Quanto mais trabalho, mais mobilização, mais luta, e certamente mais repressão. Para nós não é diferente. O anarquismo não é reprimido como corrente de pensamento, mas como ferramenta de luta.”

    No mesmo sentido, os media actuaram em sentido proporcional e notícias destas saíram ocasionalmente. Quando se trate de coisas que desafiam o status quo e as estruturas sociais, ai a música será outra.

    Fica o link para entrevista, caso haja interesse na sua leitura:
    http://www.anarkismo.net/article/7482

    Gostei do blog (e eu que não sou mt blogueiro) :)

    Saludos anarco-comunistas

  • din mescalero  On Sábado, 9 Agosto 2008 at 7:44 pm

    é isso mesmo fermin. irei ler a entrevista sim

    abraço

    ps: foi o primeiro comentário no blog. em grande!!!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: